Museu Nacional Vive

Menu de navegação

ApresentaçãoCompromissosGovernançaRelatório 2022Relatório 2020/2021Linha do TempoNotíciasCronogramaGalerias de ImagensVídeosResgate de acervosBoletim HarpiaPerguntas FrequentesSala de imprensaFale ConoscoExposiçõesCampanha RecompõeEventosEducativoDiálogosDoaçãoOuvidoriaCooperaçãoPatrocíniosInstitucionaisPTEN

Exposições

EXPOSIÇÕES VIRTUAIS

MINERALOGIA

O novo site da campanha para recomposição de acervos apresenta a exposição Recompõe.Mineralogia, que revela ao público nove itens, sendo dois recentemente doados e sete adquiridos com patrocínio da Vale, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, como um exemplar de Gipsita. É a partir da extração deste mineral que é obtido o gesso utilizado na construção civil, por exemplo. Enquanto outros minerais apresentam dureza elevada, a gipsita pode ser facilmente riscada, até mesmo pelas unhas do ser humano.

A segunda sala virtual da exposição é dedicada a cinco itens resgatados do incêndio de 2018. Um dos diferenciais da mostra é revelar as transformações que os minerais sofreram devido ao calor do fogo. Há, por exemplo, um quartzo que era de cor marrom/fumê e, agora, é incolor. Outro item em exposição é uma calcedônia, que também perdeu sua cor original e ficou impregnada por fuligem.

ANTROPOLOGIA

Com incentivo do Projeto Museu Nacional Vive, está no ar a exposição virtual “Os Primeiros Brasileiros, que reúne a coleção indígena do Museu que não foi alcançada pelo incêndio. A mostra foi concebida pelo antropólogo João Pacheco de Oliveira (MN/UFRJ) em estreita parceria com a Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (APOINME).

Revisite conosco a história do Brasil e navegue pela diversidade cultural dos povos indígenas do Nordeste!

EXPOSIÇÕES FÍSICAS REALIZADAS (2022/2023)

No entorno do Paço de São Cristóvão (sede do Museu Nacional), foi instalada a exposição a céu aberto Museu Nacional Vive, com painéis e fotografias que destacam a história e a reconstrução da instituição.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é sanitize_fsc2627.jpg_201222-124225-1024x683.jpg

Já a mostra Recompõe.Mineralogia, com 17 peças de pequeno e grande portes, ocupou o hall de entrada do palácio (sala do meteorito Bendegó). Pela primeira vez após o incêndio de 2018, o público pôde se aproximar do prédio e observar – de suas portas centrais – um conjunto diverso de minerais resgatados e novos itens recentemente adquiridos com patrocínio da Vale, por meio da Lei de Incentivo à Cultura.

Exposição Recompõe.Mineralogia. Créditos: Felipe Cohen/Projeto MNV

EXPOSIÇÕES FÍSICAS (2019)

Em parceria com outras instituições de pesquisa e culturais brasileiras, o Museu Nacional/UFRJ segue exibindo seus acervos e coleções. Quatro exposições físicas instaladas em centros culturais do Rio de Janeiro contribuíram para difundir conhecimentos e fortalecer a relação do Museu com seu público.

ANTÁRTICA

Apenas quatro meses após o incêndio, foi inaugurada a exposição “Quando nem tudo era gelo – novas descobertas no continente antártico”, no Centro Cultural Museu Casa da Moeda (RJ). Fósseis de plantas, conchas, dentes de tubarão, crustáceos e até algumas peças resgatadas do incêndio foram exibidas.

Mostra “Quando nem tudo era gelo”. (Créditos: Raphael Pizzino/UFRJ)

ARQUEOLOGIA

A mostra “Santo Antônio de Sá: Primeira Vila do Recôncavo da Guanabara” chegou à CAIXA Cultural (RJ) em novembro de 2019 exibindo peças arqueológicas encontradas durante a construção do Complexo Petrolífero do Estado do Rio de Janeiro, em Itaboraí.

(Créditos: Diogo Vasconcellos/MN)

METEORITOS

Meteoritos rochosos e metálicos, uma adaga de ferro meteorítico e um totem que conta a história do famoso Bendegó compõem a mostra “Ressurgindo das Cinzas”. Resultado de uma parceria com o Museu de Astronomia e Ciências Afins (RJ), a exposição foi aberta ao público em novembro de 2019.

Meteorito Pará de Minas. (Créditos: Diogo Vasconcellos/MN)

POVOS INDÍGENAS

Fotografias, músicas, artefatos e filmes que registram a diversidade e as narrativas dos povos indígenas formam a exposição “Os Primeiros Brasileiros”, que ocupou as salas do Arquivo Nacional (RJ). A mostra está há mais de dez anos em circulação, sempre despertando novas emoções e perspectivas sobre os indígenas do País.

A exposição revela artefatos que não foram atingidos pelo incêndio. (Créditos: Diogo Vasconcellos/MN)

PROJETO MUSEU NACIONAL VIVE